FRAUDE NA EMASA E O VOTO QUE DERRUBOU AZEVEDO

A Empresa Municipal de Águas e Saneamento (EMASA), em Itabuna, nunca esteve tão no centro das discussões políticas da cidade, seja pela crise hídrica enfrentada pelo município, seja pela discussão se estabeleceu desde o fim do ano passado, quando passou-se a especular a possível concessão da empresa para a iniciativa privada (via devolução da mesma para o Governo do Estado). Agora, a EMASA ganha mais notoriedade com aquela que pode ser a maior fraude que já aconteceu na história de uma empresa pública de Itabuna. No bojo das acusações, a figura do hoje vereador Zé Silva (PSDB), que, à época dos fatos, assumiu o cargo de Gerente Comercial da EMASA entre 2011 e 2012, na então gestão do prefeito (Capitão Azevedo).

Pelos fatos, passou pelo crivo de Zé Silva, do então presidente da EMASA e do próprio prefeito Azevedo um rombo de mais de R$200 mil, num esquema que envolve o Conjunto Penal de Itabuna. Para além disso, o vereador é acusado ainda de crime eleitoral por ter feito uso da máquina pública para conseguir votos na última eleição municipal. O crime, segundo informaram blogs da região, estaria relacionado com anulação de dívidas de eleitores em troca de votos.

O atual prefeito de Itabuna, Vane, sempre apontou, desde o início de sua gestão, que a EMASA teria chegado às suas mãos com graves indícios de irregularidades, apontamento que, agora, ganha maior consistência e direcionamentos mais objetivos. Tanto isso que o Prefeito pediu uma auditoria e o nome do Vereador e candidato a reeleição Zé Silva é citado varias vezes no processo.

O vereador foi o mesmo que, depois de ter passado pelo cargo de Gerente Comercial da estatal grapiúna, elegeu-se para ocupar uma das cadeiras do legislativo e votou contra a aprovação das contas do Capitão Azevedo sendo chamado em coro pelos presentes de traidor. Detalhe: o voto do vereador foi o de “Minerva”, pois as contas foram rejeitadas por apenas um voto de diferença. Zé Silva dentro do QG do Prefeiturável Augusto Castro é considerado como "pombo sujo", pelos seus próprios colegas de coligação.

Nenhum comentário: